A importância de um serviço público de qualidade no mundo dos negócios

coluna renato barata gomes unq import export blog comércio exterior logística mercado internacional negócios economia criciúma trading trader importação exportação

Por: Renato Barata Gomes, empresário e consultor em negócios internacionais. renato.barata@unq.com.br

A qualidade do funcionalismo público é um tema que gera sempre polêmica dentro de nossa sociedade. Nos negócios internacionais isso não é diferente. A maior parte dos órgãos que definem regras e normas dentro dos processos de importação e exportação são da iniciativa pública. Eles são conhecidos como órgãos anuentes e têm uma importância relevante no desenvolvimento do comércio exterior brasileiro. Dentre alguns dos órgãos anuentes no comércio exterior, podemos citar a ANVISA, INMETRO, DECEX, Exército, Polícia Federal e MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

Iniciativa Privada versus Serviço Público

Não é incomum escutarmos críticas da população e da iniciativa privada quanto a qualidade de serviço em órgãos públicos. Muitas vezes escutamos que a estabilidade de emprego gera acomodação, outras vezes que os cargos políticos não têm conhecimento técnico suficiente, o excesso de burocracia e a falta de tecnologia nos órgãos públicos é outra crítica frequente. É curioso pois faz parecer, muitas vezes, que a iniciativa privada e o setor público estão em lados opostos, quando na verdade, deveriam andar de mãos dadas, trabalhando em prol do desenvolvimento econômico e da melhoria da qualidade de vida da sociedade.

A função do servidor público é servir a população

O nome servidor público explica por si só qual deveria ser o principal papel destes profissionais, servir a população, dar suporte às pessoas e empresas para que a economia se desenvolva seguindo as normas e legislações, mas sem excesso de burocracia que inviabilize as operações. Nos negócios internacionais, competimos com diversos países do globo. Se não tivermos credibilidade e agilidade necessária para exportarmos nossos produtos, certamente perderemos espaço para países mais competitivos.

MAPA é benchmark quanto a qualidade de serviço

Hoje, gostaria de fazer menção ao MAPA pela excelência com que este órgão tem conduzido suas atividades em prol do desenvolvimento do comércio exterior. Além de terem profissionais altamente capacitados tecnicamente, possuem um senso de proatividade e voluntariedade que realmente chama a atenção. Chamadas técnicas são muito bem atendidas e sentimos realmente o interesse do servidor em esclarecer as dúvidas das empresas.

As funções do MAPA no comércio exterior

Dentro do comércio exterior, o MAPA é responsável pela criação de normas, procedimentos e fiscalização na importação e exportação de produtos agrícolas, fertilizantes, sementes, produtos de origem animal, bebidas, entre outros. Dentre tantos procedimentos, podemos citar a padronização de rótulos e embalagens que contenham informações fundamentais para a conscientização e prevenção da saúde dos consumidores, procedimentos para a geração de laudos técnicos referentes a alimentos e bebidas, bem como a prevenção da disseminação de doenças e pestes na importação ou exportação de produtos de origem vegetal e animal. A qualidade no atendimento do MAPA promove a melhoria dos procedimentos de comércio exterior, além de garantir que os consumidores adquiram produtos de boa procedência e dentro dos padrões internacionais de qualidade.

Para saber mais sobre comércio exterior, entre em contato com a UNQ.

Compartilhar
Publicado em Economia, Negócios | Com a tag , | Deixar um comentário

Por que a exportação pode salvar a economia do país

coluna unq marcelo raupp criciuma especialiosta negócios internacionais comércio exterior importação exportação por que exportar criciúma santa catarina

Por: Marcelo Raupp, empresário e consultor em negócios internacionais (marcelo.raupp@unq.com.br).

As circunstâncias econômicas têm mostrado a cada dia que o empresário moderno, para se manter competitivo, deve apostar no mercado internacional. Nestes tempos de dificuldade econômica generalizada, os detalhes na profissionalização são os diferenciais para manter a empresa no mercado. Encontrar o caminho certo para importar e exportar não são mais estratégias opcionais, são, sim, parte de um contexto necessário. Para se ter uma ideia de como precisamos melhorar, hoje, apenas 20 mil empresas brasileiras são exportadoras e 40 delas respondem por mais de 50% das exportações.
Crise de demanda
O problema de demanda que temos vivido nada mais é do que a diminuição do poder de consumo do brasileiro, ou seja, o trabalhador tem menor condição de compra, o que gera naturalmente a diminuição do potencial de vendas das empresas, e isso causa os problemas econômicos. Os principais motivos dessa redução de potencial de consumo foram o aumento dos juros, que deixaram o acesso ao crédito mais caro, o aumento da taxa de desemprego, que reduziu a renda média da população, e o aumento dos preços dos bens chamados insubstituíveis, aqueles que não podemos deixar de consumir como energia e transporte, e que limitou a compra de outros bens. Ou seja, tendo que pagar mais por essas coisas que somos obrigados, sobra menos para outras coisas que poderíamos consumir. Isso tudo gerou a crise de demanda que temos hoje. O potencial de produção e de venda das empresas não é consumido porque o cidadão não tem mais o mesmo potencial de compra.
A solução é encontrar consumidores fora do Brasil
Com a redução de demanda interna, as empresas precisam desenvolver sua condição de buscar novos cliente e uma das principais alternativas é encontrar consumidores fora do Brasil. Por isso, o Governo tem estimulado as empresas a exportar. O objetivo é sair do ciclo negativo que a economia se colocou: a população brasileira consome menos, as empresas vendem menos, ficam em dificuldade e empregam menos. Com menos empregos, o potencial de compra do cidadão reduz ainda mais e as empresas, vendendo menos, precisam reduzir novamente os custos demitindo seus empregados. E assim sucessivamente em um ciclo negativo que só é possível sair buscando novos clientes, em âmbito internacional.
Resultados de uma oportunidade bem aproveitada
O objetivo do Governo, na verdade, tem sido buscar alternativas para os problemas de consumo que temos no país. Se não há consumidores locais, é fundamental busca-los em outras partes do mundo. Por isso, é o momento ideal para as empresas aproveitarem os incentivos, buscarem capacitação a respeito do processo de internacionalização, encontrar parceiros especializados para obter uma orientação profissional e, no final de tudo, aproveitarem o status e os benefícios gerais de ser uma empresa exportadora.

 

Publicado em Exportação | Com a tag , | Deixar um comentário

Projeto Craque UNQ premia instituições

O Projeto Craque UNQ é uma parceria da rádio Som Maior Premium de Criciúma e a UNQ Import Export e visa trabalhar a responsabilidade social e ajudar financeiramente as instituições beneficentes participantes.

Na prática, cada instituição conta com uma seleção de jogadores do elenco do time do Criciúma. Todos os jogadores já estão previamente vinculados a uma instituição conforme sorteio inicial. A cada jogo será eleito o CRAQUE UNQ da partida pelo time de jornalistas e comentaristas da Som Maior e pelos ouvintes da rádio que votarem pelo Facebook da UNQ (www.facebook.com/unqimport).  O jogador escolhido pelos profissionais ganha ponto para o time da instituição do qual faz parte e o escolhido pelos ouvintes também.  A cada jogo, são distribuídos dois pontos e, ao final dos campeonatos, a instituição com a maior pontuação leva o prêmio em dinheiro.

A votação começará na jornada esportiva no rádio e seguirá até o programa Debate Aberto do dia seguinte.

Premiação:

a) Catarinense: A pontuação seguirá até o final do catarinense. No encerramento do campeonato, a instituição com maior pontuação receberá R$2.000,00.

b) Brasileiro: A pontuação será reiniciada e no encerramento do campeonato, a instituição com maior pontuação receberá R$10.000,00.

Instituições participantes:

1) Projeto Show de Bola: Surgiu em 01 de outubro de 2008, com o objetivo de fomentar a educação de crianças carentes através da prática do esporte e da música em Criciúma, particularmente no bairro Ana Maria e Vida Nova. Hoje, o projeto conta com aulas gratuitas de futebol, vôlei, tênis e música clássica (http://showdebola.org).

2) Projeto Pé na Bola Cabeça na Escola: O objetivo do projeto é estabelecer parcerias com caráter de responsabilidade social para incentivar a prática desportiva e o prazer de competir de forma saudável entre crianças e adolescentes da rede municipal de ensino, além de proporcionar a inclusão social dos mesmos. O projeto busca oferecer bolsas de estudos para que as mesmas possuam uma qualificação para o futuro profissional.

3) Associação Vida Ativa São José: O Grupo Vida Ativa‐ São José surgiu em 29/05/2006 com o objetivo de dar o suporte necessário e orientar as pessoas que sofreram Traumatismo Raqui‐medular (e hoje não tem o movimento completo dos membros), seus familiares e cuidadores (facebook.com/AssociacaoVidaAtivaSaoJose).

4) Associação dos Amigos dos Autistas(AMA): Oferece suporte, orientação e educação aos autistas, em grupo e individualmente, conforme a necessidade de cada um, dependendo das variáveis do Autismo e síndromes correlatas do Transtorno Invasivo do Desenvolvimento (TID) (amigosdoautista.com.br).

5) Associação Sanfilippo Brasil: A Síndrome de Sanfilippo é uma doença degenerativa, rara e, hoje, ainda sem cura. A associação tem o objetivo de apoiar e impulsionar pesquisas científicas que resultem em tratamentos e curas; de envolver a comunidade na importância do fomento a pesquisas; e de promover a arrecadação de fundos para investimentos em pesquisa sobre a Síndrome de Sanfilippo (sanfilippobrasil.org).

6) Bairro da Juventude: Promove e oportuniza a transformação social, por meio da formação integral e assistência social, com processos educacionais humanizados para crianças, adolescentes e suas famílias (bairrodajuventude.org.br).

Para conferir o placar geral do Craque UNQ, acesse: Craque UNQ pontuação.

Publicado em Uncategorized | Deixar um comentário

Cinco novas tecnologias que irão transformar o mundo dos negócios

coluna0802

Por: Renato Barata Gomes, empresário e consultor em negócios internacionais. renato.barata@unq.com.br

Vivemos em um mundo cada vez mais dinâmico e disruptivo. Muitas tecnologias que vem surgindo e se estabelecendo no mercado, poderão extinguir profissões atuais e ao mesmo tempo criar novas profissões antes inimagináveis. Importante que estejamos atentos a estas tendências, para que tanto as empresas quanto os seus profissionais, possam se adaptarem a estas mudanças. Listo abaixo algumas tecnologias que podem ter um impacto considerável nos negócios internacionais:

 

1 – Internet das Coisas

A Internet das Coisas tem como principal objetivo a conexão de dispositivos à internet. Aqui, podemos imaginar desde o monitoramento em tempo real da localização individual de cargas dentro de contêineres, o balanceamento online de cargas a serem carregadas em um navio, e até mesmo chips implantados em seres humanos contendo dados de passaporte, vistos internacionais e cartão de crédito utilizados em viagens internacionais.

2 – Realidade virtual

A realidade virtual busca a integração de situações reais através da imersão em ambientes virtuais. No mundo dos negócios, a ideia seria visitar uma feira na China, inspecionar produtos em uma fábrica, visitar o showroom de um fornecedor sem sair do escritório.

3 – Veículos Autônomos

Veículos autônomos vêm sendo pesquisados há bastante tempo, mas tem ganho maior repercussão na mídia nos últimos anos. A tecnologia é autoexplicativa e objetiva o tráfego de automóveis leves e pesados sem a interferência do motorista na condução dos mesmos. Nos negócios internacionais, esta tecnologia tende a impactar o transporte rodoviário de cargas, reduzindo o número de acidentes, otimizando o consumo de combustível, e reduzindo custos.

4 – Inteligência Artificial

A inteligência artificial consiste em algoritmos com capacidade de autoaprendizagem a partir da entrada de dados em um determinado sistema. Nos negócios internacionais, podemos citar duas aplicações desta tecnologia: traduções simultâneas – imagine um brasileiro e um alemão em uma teleconferência onde cada um fala o seu idioma nativo e o sistema faz a tradução online da reunião; inteligência de negócio – atualmente já utilizados em portais de e-commerce, onde o sistema sugere produtos aos consumidores com base na experiência de compras passadas e no perfil de navegação do consumidor na internet e redes sociais.

5 – Fintech e Blockchain

O termo Fintech vem da combinação de finanças com tecnologia. Blockchain é uma tecnologia que se enquadra no conceito de Fintech. Há algum tempo se debate a criação de moedas digitais onde se possa fazer pagamentos digitais sem a utilização de intermediários. Entretanto, muito se discute sobre a possibilidade de fraudes ou sobre a necessidade de um controle mais rígido destas transações. A ideia do Blockchain é criar um ecossistema padrão, que garanta que todas as transações financeiras realizadas digitalmente sejam contabilmente registradas. Nos negócios internacionais, este sistema possibilitaria o pagamento internacional utilizando moedas digitais de forma segura e com custos reduzidos.

Publicado em Globalização | Deixar um comentário

A importação gera (des)emprego?

blog comex importação desemprego emprego china marcelo raupp comércio exterior especialista unq criciuma negócios internacionais

Por: Marcelo Raupp, empresário e consultor em negócios internacionais (marcelo.raupp@unq.com.br).

Como em todo assunto polêmico, a repercussão sobre este tema tem gerado boas discussões. Por um lado, algumas pessoas afirmam que, trazendo produtos de outros países, as empresas terão mais dificuldades de encontrar espaços para seus produtos e as demissões são parte das soluções. Outros afirmam que a importação permite uma qualificação maior da mão de obra e dão condições competitivas para as empresas crescerem gerando mais empregos. Afinal, a importação gera ou não desemprego?

A Globalização

A redução das barreiras imaginárias entre os países é um caminho sem volta. Hoje, podemos comprar ou vender produtos para quase todo o mundo e a principal discussão não é mais se isso é bom ou ruim, já que isso está estabelecido. Precisamos discutir e buscar como fazer melhor e aproveitar das oportunidades disponíveis. Para aprofundarmos a questão, basta lembrarmos que hoje o Brasil sofre uma grande crise de demanda. Não há compradores para a quantidade de produtos que precisamos vender. As empresas assim acabam demitindo para reduzir custos e o potencial de compra dos cidadãos acaba reduzindo ainda mais. Por isso dependemos do mercado externo para nossas empresas buscarem consumidores que dentro do país não encontram. As maiores opções de vendas permitem que as empresas capacitadas encontrem mais compradores. Por outro lado, com as importações, o potencial de compra das empresas é ampliado e é possível tornar a empresa mais competitiva para um mercado tão concorrente. Afinal, o dinheiro não se ganha na venda, mas sim na compra.

Mão de obra mais qualificada

A mesma questão de desemprego foi muito debatida acerca da automação das empresas. Afinal, estamos substituindo a mão de obra por máquinas? Na verdade, não. Estamos criando uma mão de obra mais qualificada com melhores condições de trabalho. Os trabalhadores das fábricas passam para uma atribuição diferente do que aquela de produção e ambiente insalubre. E a mesma coisa acontece com a importação. Outras fontes de trabalhos são gerados, com mais condição de gestão e especialização, além de fornecerem mais competitividade para as empresas. É muito melhor termos empresas mais qualificadas, com padronização de produtividade e mais opções de suprimentos, do que mantermos o desenvolvimento estagnado pela falsa justificativa de desemprego.  Não precisamos ir muito longe para perceber as consequências negativas do fechamento e controle do mercado na Venezuela.

Resultados de uma oportunidade bem aproveitada

Por isso, não tenho dúvidas em afirmar que a importação não é negativa. Existem muitas possibilidades neste aspecto e a melhor alternativa é investir na capacitação das empresas em Negócios Internacionais. A crise econômica atual é muito mais intensa pela falta de conhecimento dentro das oportunidades das exportações e importações do que pela possibilidade em si de os países colocarem seus produtos aqui. É preciso transformar as ameaças em oportunidades e parar de justificar os problemas em falsos argumentos. Se alguém optar por comprar um produto chinês, a culpa não é dessa pessoa e nem da empresa chinesa que vendeu. É simplesmente da empresa brasileira que não se capacitou para tal.

Texto originalmente publicado no jornal A Tribuna, Criciúma, 01/02/17.

Para mais informações sobre comércio exterior, entre em contato com a UNQ.

Publicado em Importação | Com a tag , , | Deixar um comentário

UNQ é destaque na revista Liderança Empresarial

Confira o artigo do diretor da UNQ, Marcelo Raupp, na revista Liderança Empresarial, da Acic Criciúma.

Artigo Marcelo Raupp consultor comércio exterior negócios internacionais criciúma UNQ trading revista liderança empresarial

MERCADO INTERNACIONAL: VIAJANDO À CHINA

Por: Marcelo Raupp, empresário e consultor em negócios internacionais (marcelo.raupp@unq.com.br).

A China tem sido nos últimos anos o centro das atenções dos negócios internacionais. A capacidade de desenvolvimento e tecnologia são fatores que têm garantido importantes incrementos à qualidade e à produtividade das indústrias locais. Somadas a outros critérios como logística apropriada, desvalorização da sua moeda e uma ambição intensa pelo trabalho, tem permitido atender o mercado global com produtos diferenciados e de baixo custo.

Visitando o país, toda essa condição fica ainda mais presente. Os paradigmas são quebrados e as oportunidades ficam mais evidentes, já que qualquer preconceito existente é anulado pela realidade. Mas viajar para a China ainda representa um choque cultural e a preparação é fundamental para compreender as diferenças, principalmente, na comunicação e na alimentação, que podem ser os maiores problemas.

Comunicação

Para se obter êxito nos negócios internacionais é preciso não apenas falar um idioma comum (normalmente, o inglês), mas entender culturalmente a forma de se comunicar. No caso da relação entre chinês e brasileiro, por exemplo, é muito comum o brasileiro buscar preços mais baixos. Dependendo da forma como se apresenta este interesse, o chinês pode entender que o brasileiro quer um produto com qualidade proporcional ao preço mais baixo. Ou seja, reduz o preço, mas reduz a qualidade também. Não por maldade, mas pela cultura. No final das contas, o brasileiro acha que conseguiu ganhar com a redução do preço, mas recebe um produto diferente daquele que tinha solicitado inicialmente, já que o chinês alterou o produto para chegar no preço solicitado. Por isso, é importante sempre deixar clara a necessidade de redução de custos sem a perda de qualidade. Uma boa dica é trocar a palavra cheap (barato em inglês) pela expressão better price (melhor preço).

Alimentação

As refeições são grandes formas de aproximar e fazer negócios no mundo todo. Como são bons anfitriões, é comum os chineses oferecerem o melhor (pelo menos, na visão deles). Neste caso, as surpresas podem acontecer. O cardápio, claro, é diferente. E começa com a própria apresentação, já que a comida fresca tem muito valor e o menu é apresentado vivo. Os peixes, camarões, lagostas e afins estão todos em aquários e locais apropriados para serem escolhidos. Na minha primeira experiência, em 2010, vi cobras nas gaiolas (as venenosas estavam cobertas por uma lona) e resolvi experimentá-las fritas. A carne estava bem saborosa, mas o couro servido com salada nem tanto. Sem dúvidas, o momento mais tenso aconteceu quando comia uma carne branca sem saber o que era e fui informado que era carne de sapo. Estava uma delícia até saber do que se tratava. Era a cultura jogando contra as emoções.

Para evitar constrangimentos que podem até mesmo soar ofensivos, uma conversa descontraída antes das refeições é uma boa saída. Deixar claro que não se está acostumado a comer certas iguarias é mais simpático do que fazer cara feia à mesa.

Dentro de todas as experiências, para mim, o melhor de tudo ainda é encontrar soluções para as empresas da nossa região. Muitas vezes, produtos melhores com a metade do custo são a vantagem competitiva para a empresa se diferenciar no mercado. Em outras ocasiões, a exclusividade em um produto ou matéria-prima se torna o principal atrativo. O importante é usar o conhecimento da cultura a favor e mostrar-se aberto a novas possibilidades e formas de pensar.

Claro que é possível encontrar empresas ruins, produtos sem qualidade e pessoas com más intenções na China. Mas isso não é regra como muitos pensam. Eu diria que a proporcionalidade é a mesma do Brasil. E da mesma forma como aqui, é preciso entender o mercado e as particularidades e fazer o filtro para usufruir dos benefícios disponíveis. Não há segredo, há trabalho. E, a cada viagem, é possível perceber como existe um mundo de negócios a explorar. Basta oportunizar!

Publicado em Importação | Deixar um comentário

Posse de Donald Trump gera insegurança no mercado internacional

Por: Renato Barata Gomes, empresário e consultor em negócios internacionais. renato.barata@unq.com.br

donald trump comércio exterior negócios internacionais unq renato barata gomes

Foto: Reprodução.

 A cerimônia de posse do novo presidente norte-americano ocorreu na última semana, dos dias 19 a 21 de janeiro, incluindo diversos ritos tais como shows de bandas locais, homenagens aos veteranos, discursos, fogos de artifício, cultos religiosos, encontro com Barack Obama, comitivas, juramento do presidente e bailes de gala. A posse de Donald Trump marca certamente um dos momentos históricos mais importantes dos últimos anos, principalmente por seu perfil de gestão. Trump tem feito constantes declarações polêmicas causando insegurança no mercado internacional. Listo abaixo algumas das declarações mais impactantes:

O muro na fronteira com o México

Trump diz que construirá um muro na fronteira com o México e que posteriormente solicitará o reembolso das despesas ao governo Mexicano. O muro é um símbolo claro da intolerância contra a migração ilegal de mexicanos e de outros países que utilizam a fronteira sul dos Estados Unidos para ingressar ao país em busca de melhores condições de vida. Para se ter uma ideia, estima-se que existam mais de 25 mil criciumenses vivendo ilegalmente nos EUA.

Políticas de armamento

Donald Trump diz ser a favor da posse de armas e critica os países que não permitem esta política. Ele argumenta que os delinquentes acabam tendo acesso às armas de forma ilícita. Assim, as organizações criminosas acabam fortalecidas e não o contrário.

Terrorismo e o petróleo

O presidente eleito declara que o estado islâmico só será vencido quando se retirar o petróleo que está sob o controle deste regime. Declarações como esta despertam questionamentos sobre possíveis guerras pelo controle do petróleo e poder.

Aquecimento global

Trump alega que o aquecimento global é uma farsa e quer romper o acordo de Paris, assinado por 195 países, inclusive pelos EUA, e que tem como objetivo estabelecer metas para a redução do aquecimento global.

Sanções contra produtos chineses

O presidente eleito dos EUA considera que a China manipula sua moeda de forma ilegal para evitar competição, além de sobretaxar os produtos americanos. Por isso, Trump tem anunciado que criará sanções contra a China na ordem de 45%.

Aumento de tarifas de importação contra produtos mexicanos

Trump é contra empresas americanas instalarem-se no México e depois reexportarem os produtos aos EUA sem um aumento nas taxas. O presidente anunciou que aplicará tarifas que podem chegar a 34% sobre as importações de produtos mexicanos.

Polêmicas geram especulações e volatilidade cambial e na bolsa de valores

Na prática, muitas destas polêmicas não são diretamente direcionadas ao Brasil, mas indiretamente gerarão insegurança e volatilidade, tanto no dólar quanto nas bolsas de valores globais, impactando o cenário econômico mundial, incluindo a economia brasileira.

Texto originalmente publicado no jornal A Tribuna, Criciúma, 25/01/17.

Para mais informações sobre comércio exterior, entre em contato com a UNQ.

Publicado em Globalização | Com a tag , , | Deixar um comentário

O que é: Importação por Conta e Ordem

Na importação por conta e ordem, uma empresa interessada em uma determinada mercadoria, contrata uma prestadora de serviços – a importadora por conta e ordem – para que esta, utilizando os recursos originários da contratante, realize os procedimentos necessários para importação. A atuação da empresa importadora pode abranger desde a simples execução do despacho de importação até a intermediação da negociação no exterior, contratação do transporte, seguro, entre outros. O importador de fato é a empresa que deseja importar que também pactua a compra internacional e dispõe de capacidade econômica para o pagamento.

Já a operação cambial para pagamento de uma importação por conta e ordem pode ser realizada em nome da importadora ou da adquirente. Dessa forma, mesmo que a importadora por conta e ordem efetue os pagamentos ao fornecedor estrangeiro, antecipados ou não, não se caracteriza uma operação por sua conta própria, mas, sim, entre o exportador estrangeiro e a empresa adquirente, pois dela se originam os recursos financeiros.

Fonte: Receita Federal do Brasil.

A UNQ Import Export tem expertise para auxiliar sua empresa em todas as etapas do comércio exterior. Entre em contato: unq@unq.com.br.

Publicado em Importação | Deixar um comentário

Vale a pena importar revestimento da China – Piso Laminado e Piso Vinílico

importar piso laminado vinilico da china unq import export criciuma importadora trading marcelo raupp como importar

Foto: Reprodução.

Por: Marcelo Raupp, empresário e consultor em negócios internacionais. marcelo.raupp@unq.com.br

Nas últimas semanas, devido ao aumento das possibilidades e também das exigências no mundo da arquitetura, tratamos de diferentes tipos de revestimentos que a China pode prover com qualidade. Vimos que o porcelanato, o papel de parede e as pedras industrializadas, como Silestone e Corian, podem sim gerar bons resultados quando trabalhados na importação por uma empresa com a expertise necessária no assunto. Para finalizar a série sobre as oportunidades na importação de diferentes tipos de revestimentos, hoje, os pisos laminados e os pisos vinílicos serão o foco da vez. Afinal, vale a pena importar?

A diferença entre eles

A principal diferença entre ambos está na composição e, naturalmente, as características de cada um estão baseadas nela. O piso laminado é composto por diferentes tipos de madeiras aglomeradas, o que permite o fácil assentamento sem a necessidade de um contrapiso tão nivelado. A propagação do som é um dos seus pontos fracos. O piso vinílico tem a estrutura em PVC e, por isso, consegue abafar bem os ruídos e preservar melhor a temperatura. Além disso, é antialérgico e não mancha, embora seja de fácil abrasão, dependendo do local que estiver exposto. Para este tipo de produto, no entanto, a principal característica ainda está na flexibilidade e colocação. Tanto o piso laminado quanto o piso vinílico podem ser colocados em poucos dias e transferidos para outro lugar quando necessário.

A importação

Para a importação destes produtos também é preciso avaliar suas características. O piso laminado, pela sua natureza, passa por um papel muito mais burocrático na importação. O piso vinílico, por outro lado, tem possibilidades muito maiores com relação às oportunidades.  Primeiro, porque o processo em si é mais simples. Segundo, porque a possibilidade de manufatura na China é muito mais extensa. Desde designs diversificados, a tecnologia de desenvolvimento e instalação permite atender os mais diferentes interesses dos consumidores. E, por último, e mais importante, dois aspectos que complementam o grande benefício: pelo pioneirismo na produção, a China fornece alta qualidade e preços bem atrativos para os pisos vinílicos.

Resultados de uma oportunidade bem aproveitada

Como as opções são muitas, é preciso conhecer bem o mercado que se está atuando. Não serão os chineses que darão a resposta sobre os produtos que mais vendem por aqui. Principalmente, porque os gostos, baseados na cultura, são bem diferentes. Não há dúvidas de que há grandes oportunidades na importação de piso vinílico. Para aproveitar dos resultados, no entanto, é fundamental conhecer o mercado local e, principalmente, contar com uma empresa capacitada que dê o melhor suporte no desenvolvimento na China, faça a negociação internacional para os melhores benefícios, coordene todo o processo logístico e aduaneiro e garanta que o que foi planejado, em termos de custo e tempo, sejam cumpridos conforme seu planejamento.

Texto originalmente publicado no jornal A Tribuna, 18/01/2016, Criciúma-SC.

Para saber mais sobre como importar revestimentos da China, entre em contato com a UNQ Import Export.

Publicado em Importação | Deixar um comentário

Nosso blog é destaque na revista da Portonave

Unq revista portonave marcelo raupp motivos para começar a importar blog o mundo dos negócios

O blog O Mundo dos Negócios foi destaque na revista da Portonave de janeiro. Confira o texto do diretor da UNQ, Marcelo Raupp, na publicação.

4 motivos para começar a importar

Por: Marcelo Raupp (marcelo.raupp@unq.com.br)

É fato que hoje a concorrência não é mais regionalizada, simplesmente. Pela crescente capacidade tecnológica e a facilitação na comunicação, as possibilidades de negócios são inúmeras e as empresas têm acesso a quase todo o mundo naturalmente. Os produtos internacionais chegam ao Brasil com mais facilidade e os consumidores têm muito mais opções de escolha na hora da compra. Por isso, é preciso encontrar caminhos para convencer que a melhor alternativa é a sua, transformando as ameaças de um mundo globalizado em oportunidades regionais. Para entender um pouco mais das vantagens, destaco a seguir quatro principais motivos.

Redução de Custos

Abrindo oportunidades para compras internacionais, a empresa multiplica a sua possibilidade de suprimento e o parâmetro é mais completo na hora da decisão. Em alguns casos, a importação direta possibilita uma redução maior que 50% se comparada com a compra nacional. Isso mesmo! O custo de toda a importação, incluindo o produto, o frete internacional, os impostos e todas as taxas envolvidas, pode gerar uma economia muito importante num momento econômico em que as vantagens competitivas estão nos detalhes. Não é raro ver empresas economizando R$ 200 mil por mês por estarem à frente neste processo de compras. E mesmo que o ganho seja menor, as vantagens conseguidas em escala certamente farão uma grande diferença na concorrência acirrada. Com custo mais baixo, é possível promover melhores preços, ganhando no giro do produto, ou aumentar a margem na venda, mantendo os preços.

Produtos Diferenciados

Sabemos que alguns países são marcados por terem bastante afinidade com certos tipos de mercados. São especialistas em moda, tecnologia, produtos alimentícios, etc. que acabam sendo referência no desenvolvimento de produtos dentro do nicho. A aproximação com empresas destes países que criam as tendências nas suas áreas é muito importante para apresentar produtos diferenciados e com antecedência no mercado. Complementar o portfólio com um mix de produtos novos pode ser o diferencial na opção do cliente. Além disso, produtos inovadores nem sempre são mais caros. Há exemplos frequentes de empresas que encontraram produtos diferenciados lá fora com valores compatíveis com o mercado.

Informações Atualizadas e Antecipadas

Em um mundo assim globalizado, as informações são a base para as melhores decisões. Quanto mais pudermos entender as dinâmicas das compras internacionais, mais preparados estaremos para tomar decisão em um mercado tão volátil. O contato com o mundo de onde se importa permite receber as informações com antecedência. Seja em tendências, tecnologia, economia, logística e afins, todas as informações darão subsídio para um caminho com menos riscos.

Resultados de uma oportunidade bem aproveitada

As características do mercado atual, com uma velocidade de mudança muito intensa e uma concorrência cada vez mais global e acirrada, demandam um perfil empresarial com a mesma dinâmica. Buscar vantagens competitivas nos detalhes, permitindo que as oportunidades de compra global façam parte do dia a dia da empresa, é pré-requisito para um caminho bemsucedido. Afinal, o dinheiro se ganha na compra bem feita.

 

Publicado em Economia, Importação, Negócios | Deixar um comentário